terça-feira, 25 de novembro de 2014

VESTA A DEUSA VIRGEM




HESTIA E VESTA - Na mitologia grega Héstia era a deusa dos laços familiares, simbolizada pelo fogo da lareira. Filha de Cronos e Reia, era uma das doze divindades olímpicas. Cortejada por Posídon e Apolo, jurou virgindade perante Zeus,  e dele, além da proteção a virgindade, recebeu a honra de ser venerada em todos os lares, de se ser incluída em todos os sacrifícios e permanecer em paz, em seu palácio cercada do respeito de deuses e mortais. Em Roma, Héstia foi venerada como a Deusa Vesta; todas as casas romanas possuíam um altar a Vesta.

O TEMPLO DE VESTA - Era um pequeno edifício circular, localizado no Fórum Romano, no centro da vida romana.

AS VESTAIS – As sacerdotisas de Vestia eram chamadas Vestais. Faziam voto de castidade,mantinham o fogo sagrado sempre aceso (pois era o símbolo da perenidade do Império) e deveriam servir à deusa durante trinta anos (os quais deviam conservar-se virgens). Este voto era tão sagrado que se fosse quebrado, a Vestal era enterrada viva no Campus Sceleris (Campo de Maldade). Além das vestais, a deusa era  cultuada por um sacerdote principal.
Seis Vestais de boa origem familiar eram selecionadas (entre os sete e os dez anos) obedecendo a determinados critérios que incluíam estarem livres de qualquer tipo de imperfeição física ou mental e possuírem pais livres e vivos. Elas não podiam ser vaidosas, isto é, mostrar cuidados excessivos com o corpo. As suas vestes eram muito simples, mas elegantes. No princípio cortavam os cabelos, entretanto, mais tarde, exibiam longa cabeleira.
Depois de passarem pela rigorosa seleção, eram eleitas pelo alto sacerdote para assumirem um compromisso de trinta anos, dos quais, os primeiros dez anos seriam dedicados a estudos (discípula em Latim) e treinamentos. Nos dez anos seguintes, tornavam-se serviçais da Deusa (cuidavam do fogo, da limpeza do templo e participavam de cerimoniais) e os últimos dez, deveriam treinar as novatas. Se faltassem às obrigações eram castigadas fisicamente.
As Virgens Vestais viviam juntas em uma casa (supervisionada pelo sacerdote principal) ao lado do Templo de Vesta. Qualquer virgem Vestal que mantivessem relações sexuais com um homem profanaria a Deusa. Como punição deveria ser enterrada viva.
Em compensação, apesar de todos esses rigores, as Vestais gozavam do maior respeito e eram tão sagradas que se passassem ao lado de um homem condenado, esse era perdoado. Eram também, muitas vezes, chamadas para apaziguar as dissensões nas famílias.

A Vestália -  era uma festa anual realizada no mês de Junho, entre os dias 7 e 15. Era a festividade mais esperada e popular de Roma, onde as Vestais eram figura central. Diferentes estátuas da Deusa Vesta eram transportadas pelas ruas principais em distintas procissões públicas.
A Vestal "Occia" presidiu a ordem por 57 anos. "Coelia Concordia" foi a última "Vestalis Máxima".



AS VESTAIS QUE QUEBRARAM OS VOTOS DE CASTIDADE

Rhea Silvia - É tida como a mãe de Rômulo e Remo, fundadores de RomA, quebrando, assim, seus votos de castidade; mas seu castigo não foi esclarecido. Algumas fontes dizem que foi jogada no rio Tibre e outras, que foi castigada até morrer por ordem de seu tio Amulius.

Tuchia – Acusada de romper seus votos de castidade, não foi castigada ao demonstrar sua inocência transportando água com um coador.

Tarpeia - Traiu Roma, abrindo as portas da cidade para os Sabinos, pensando que esses lhe dariam de presente braceletes de ouro. Depois das portas abertas foi esmagada e pisoteada pelos soldados inimigos. Terminada a revolta, tal era o rancor dos romanos pela sacerdotisa traidora que a jogaram seu corpo da rocha mais alta de Roma. Essa rocha tomaria seu nome e passaria para a história como um lugar de castigo para todo o traidor.

Julia Aquila Severa - Essa sacerdotisa revolucionou Roma ao contrair matrimônio com o imperador Elagabalus. Ela devia ser castigada, porém por ter se casado com um imperador, não foi possível.

http://www.recantodasletras.com.br


Vesta é uma deusa romana que personifica o fogo sagrado, a pira doméstica e a cidade. Corresponde à Héstia dos gregos, embora o seu culto na península itálica seja anterior à influência helénica no mundo romano, e, até certo ponto, à Agni dos hindús. Era muito comum utilizar a sua imagem nas moradas dos jovens que iam adquirir conhecimento longe de sua terra natal. Cortejada pelos deuses, e especialmente pelo belo Apolo e por Netuno, Vesta rejeitou todas as propostas amorosas e conseguiu que o próprio Júpiter protegesse sua virgindade.
Devido a sua vontade de permanecer casta, suas sacerdotisas, as vestais, que vigiavam em permanência o fogo sagrado nos templos, também se mantinham assim. De onde saiu a expressão virgem vestal.
Vesta era a filha primogênita de Cibele e Saturno (mitologia), a irmã mais velha da primeira geração de deuses olímpicos, e a solteira da segunda. Por direito de primogenitura, era uma das doze deusas olímpicas principais
Foi engolida por Saturno e posteriormente resgatada por Júpiter. Representada trajando um longo vestido, muitas vezes com a própria cabeça coberta por um véu, ela é a deusa que nunca abandona o lar, o Olimpo, e jamais se envolve nas brigas e guerras de deuses ou mortais. Ajudou-o a tornar-se dono do universo. Desprezou o amor tanto de Netuno como de Apolo (Febo), resolvendo permanecer solteira. Como deusa de coração quente, ela representava a divindade do lar e defendia a vida da família. Era adorada antes dos outros deuses em todas as festas, uma vez que era a mais antiga e preciosa das deusas do Olimpo. Um juramento feito em seu nome era o mais sagrado dos juramentos. Segundo Heródoto era uma das divindades cujo nome não se originou no Egito ou no Oriente próximo. O animal mais sagrado à deusa é o asno.

____________________________________

Bibliografia - Alonso, Ana Carolina. O Culto de Vesta a partir da Ab urbe conditia de Tito Livio. NERO, 2010. / Prieto, Claudiney. Todas as Deusas do MundoEditora Gaia - 2003. / Brandão, Junito de Souza. Mitologia Grega. Petrópolis: Vozes, Vol. III, 4.ª edição, 1992.

sábado, 15 de novembro de 2014

A PRÁTICA DA MEDITAÇÃO COMO CURA

Meditação tem resultado similar aos dos remédios para ansiedade e depressão
Prática de 30 minutos diários da técnica ‘mindfulness’ atenua os sintomas das doenças
POR O GLOBO
07/01/2014 6:00


NOVA YORK - Trinta minutos diários de meditação podem atenuar sintomas de ansiedade e depressão, segundo uma nova pesquisa da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins.
- Várias pessoas fazem meditação, mas não é uma prática terapêutica tradicional - diz o professor Madhav Goyal, que liderou o estudo publicado na revista “JAMA”. - Em nosso estudo a meditação parece aliviar sintomas de depressão e ansiedade com os mesmos resultados dos antidepressivos relatados em outros trabalhos.
Os pesquisadores avaliaram o grau de mudança desses sintomas em pessoas que tinham uma variedade de condições médicas, tais como insônia ou fibromialgia, embora apenas uma minoria tivesse sido diagnosticada com doença mental.
Goyal e seus colegas descobriram que a chamada meditação mindfulness - uma técnica budista de atenção plena - também teve sucesso no alívio da dor e do estresse.
Para realizar a sua revisão, os pesquisadores analisaram 47 ensaios clínicos feitos até junho de 2013, com 3.515 participantes, envolvendo meditação e vários problemas de saúde física e mental, incluindo depressão, ansiedade, estresse, insônia, uso de drogas, diabetes, doenças cardíacas, câncer e crônica dor.
Eles encontraram evidências moderadas de melhora nos sintomas de ansiedade, depressão e dor depois que os participantes foram submetidos a um programa de treinamento de oito semanas em meditação mindfulness. Mas houve baixa evidência de melhora no estresse e na qualidade de vida. Não havia informações suficientes para determinar se outras áreas podem ser melhoradas por meio da meditação. Nos estudos que acompanharam os participantes por seis meses, as melhorias continuaram e não foi observado nenhum dano com a prática.
- Muita gente tem a ideia de que meditar significa sentar sem fazer nada, mas não é verdade. Meditação é um treinamento ativo da mente para melhorar atenção e há diferentes programas com approachs variados - diz o pesquisador.

A meditação mindfulness, o tipo que se mostrou mais promissor, é normalmente praticada por 30 a 40 minutos por dia e enfatiza a aceitação dos sentimentos e pensamentos, do momento presente sem julgamento, além do relaxamento do corpo e da mente.
Mais estudos ainda são necessários para esclarecer que os resultados são os mais afetados por estes programas de meditação, bem como se outras práticas de meditação teriam efeitos melhores.
- Os programas de meditação parecem ter um efeito acima e além do placebo - diz Goyal.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/meditacao-tem-resultado-similar-aos-dos-remedios-para-ansiedade-depressao-11222530#ixzz3J9CovMTS
© 1996 - 2014.

                              

LUA FORA DE CURSO LFC

Hoje vamos falar sobre um fenômeno astrológico muito comum e que afeta a todo mundo gerando muita curiosidade.  A Lua está sempre em m...