terça-feira, 18 de março de 2014

LEÃO / CASA 5 / SOL


        


b      - cauda  do Leão, espermatozóide                               
Leão Rege:  Coração, olhos, coluna, costas, coronárias, doenças do coração, palpitações, aneurismas, angina, paranóia, megalomania.

Ponto vulnerável: pode ser traído pelas costas, para um leonino não é bom dormir de costas para o ar (costas são o captador de energia).

Planeta nos primeiros (1,2 e 3°)  graus de Leão pode mostrar problemas nos olhos.
Planetas com aspectos com a cúspides da casa 6 e 12  mostra problemas de saúde.



Na época de Leão, o fruto está maduro quase pronto para colheita.
Leão tem consciência de si. Pessoa se apresenta de forma dramática e arrogante, luta para ser o centro.  A glória é mais importante que o dinheiro.
Atrai inveja e isto o irrita porque quer ser amado por todos.
Intuitivo e a frente do seu tempo, mas dá importância ao papel social e mantém-se conservador e sente-se bem com a tradição.


Mito de Leão:
Existe um mito moderno de Parcifal, que vivia na floresta somente com sua mãe e não sabia quem era seu pai, um dia encontrou um cavaleiro com armadura brilhante e resolveu segui-lo. Vai a procura de si mesmo deixando o conforto da casa em busca do futuro perigoso, mas maravilhoso.  No meio da floresta tem uma visão vê um castelo envolto em neblina rodeado de ouro onde um rei velho e doente está tirando sangue envenenado de uma ferida de sua perna.  Neste momento aparece uma mulher com uma bandeja, uma espada e uma taça.  Parcifal pergunta o que significa isso uma voz lhe responde que esta era uma pergunta mágica e por isso Parcifal ganharia o castelo e a princesa.
Busca de si mesmo é o que vemos neste mito. Busca carregada de grandeza mítica.
Onde Leão estiver no mapa vai haver rivalidade, vai ter que resolver os problemas voltados para o próprio ego de forma criativa e espontânea.



O Sol doador da vida é o centro do sistema. As forças vitais de cada um são renovadas todo ano quando o sol passa pelo grau do nascimento e influência nas condições físicas e ambientais, quando passa pelo ascendente.
Com o Sol na casa 11 a pessoa valoriza muito os amigos.  Pode por exemplo deixar de ir a aula para resolver os problemas do amigo.
O Sol representa o impulso de identidade, por isso o signo é a mais intima natureza do homem.  O Sol é a fonte de energia, por isso influi na saúde.
O lugar do Sol no mapa indica uma área marcante e criativa onde a vontade é aplicada.
O Sol fraco no mapa pode dar pouca vitalidade, inabilidade em se promover.  Contrai doenças com mais facilidade.
Os aspectos que recebe mostram o grau de consciência que temos na vida atual. Os harmônicos são recompensa, aplicação construtiva.  Os desarmônicos são limitações frustrações e mau uso de energia.
Sol sem aspecto está aprendendo a usar o poder.
O signo onde está o Sol indica o caminho espiritual, a casa indica onde iniciar este caminho.
O Sol fraco debilita o mapa e a casa do sol, mostra as circunstâncias que queremos dominar.



A casa 5 nos mostra nossos prazeres, expressões criativas, ...
Pessoa com planetas na casa 5 tem que ter prazer na vida para ser feliz.
A casa do 1º filho é a casa 5
A casa do 2° filho é a casa 7
A casa do irmão é a casa 3 - parente

Urano na casa 5 a pessoa terá filhos adotados, ter filhos com problemas ou seus filhos serão adotados.
Marte em aspecto com Saturno mostra possível acidente de moto.
A “noite negra da alma” é representada pelo Sol em uma das quatro primeiras casas.

Casa 5 mostra a libido criativa, a vocação;
Casa 2 mostra trabalho que dará dinheiro;
Casa 10 mostra trabalho que traz prestígio.

Pessoa que tem Sol na casa 5 é porque nasceu entre às 8 e 10 horas.



          Sol:
         Anjo:  Miguel
         Número simples: 6 turbilhão
         Cor:  Amarelo
         Aroma: Sândalo vermelho
         Metal:   Ouro
         Pedra:   Crisólito, Pedra-sol
         Sacramento:   Ordens
         Periodo de vida:   Infancia
         Anverso do Talismã:   Círculo
         Reverso do Talismã:  Homem
         Dia da semana:   Domingo
         Neutro





Mitologia de Leão:

Acostumamo-nos às descrições do espécime majestoso e barulhento do folclore popular, e poderíamos facilmente acreditar que esse signo não tem nenhum significado mais profundo além da manifestação extrovertida e exibicionista do vigor da vida.
... no conto de fadas nos leva muito longe do leão convencionalmente frívolo e exibido, para um terreno muito mais místico.
... Leão, regido pelo Sol e conseqüentemente associado ao mistério da individualidade e do caminho “predestinado” da maturação individual, não trata realmente da “criação” de algo que possa ser aplaudido pelos outros.  Num nível mais profundo, parece descrever o  desenvolvimento da essência da pessoa ímpar e da busca de sua origem.  Embora se suponha que Leão seja o signo criativo, regente natural da quinta casa, o exame de um grande número de pintores, poetas, romancistas e músicos revela uma preponderância de Gêmeos, Câncer e Peixes; Leão figura muito modestamente.
...Leão está intimamente ligada à procura que o herói empreende pelo pai espiritual ou pelo valor transpessoal de sua vida.
A história do homem em combate com a besta é o mais velho dos motivos arquetípicos....Num sentido mais amplo, é a batalha entre o ego em desenvolvimento e suas raízes instintivas, que precisam ser  domesticadas para que o indivíduo se torne realmente individual.
O leão também está associado à concupiscência e ao orgulho.  Tem um aspecto inconfundivelmente erótico, daí sua associação a Dioniso e Cibele, mas também é um animal combativo e sugere impulsos agressivos saudáveis, bem como destrutivos.
Essa apaixonada belicosidade é característica de Leão.  Porém, o leão é um estágio de um processo, como sugere Jung; e é esse processo ou padrão que nos leva à esfera do “destino” de Leão.
Se o próprio Leão não captar a importância do processo, a vida tende a ensiná-lo mais ou menos à força que um leão não pode andar solto por aí entre os homens sem algum tipo de retaliação.  Com mais criatividade, o Leão decide empreender sua busca por vontade própria, e é por essa razão que o mito que associo mais intimamente a este signo é a história de Parsifal.
...Historia de Parsifal em busca do Graal, um objeto ou recipiente misterioso, preservador e sustentador da vida, é guardado por um rei num castelo que está escondido ou é difícil de achar.  O rei está aleijado ou doente, a região circundante está devastada ou esgotada; este é o estado de coisas no poema The Wasteland de Eliot, baseado no mito da  busca do Graal.  A saúde do rei só pode ser recuperada se um cavaleiro de visível perfeição encontrar o castelo e, assim que olhar o que lá estiver, fizer uma determinada pergunta.  Se ele deixar de fazer essa pergunta, tudo vai continuar como antes, o castelo vai desaparecer e o cavaleiro vai ter de iniciar de novo a procura.  Se ele finalmente for bem-sucedido, depois de muitas andanças e muitas aventuras, envolvendo principalmente encontros eróticos (porque Leão procura primeiro o seu tesouro no amor, antes de descobrir que o tesouro pode estar dentro dele mesmo), e aí fizer a pergunta, o rei vai recuperar a saúde, a terra vai começar a ficar verde novamente e o herói vai herdar o reino e tornar-se guardião do Graal.
Parsifal começa a história órfão de pai, criado pela mãe num bosque isolado.  Esse início sem pai (ou sem princípio do pai, mesmo que haja um pai físico presente) é algo que tenho visto na vida de muitos leoninos.  O pai ou está ausente ou está ferido num nível mais profundo, e não pode proporcionar o senso de renovação criativa da vida de que o filho ou filha precisam; assim, a criança busca esse princípio lá fora, na forma da aventura de sua vida.
Cinco cavaleiros de armaduras brilhantes vieram cavalgando pela floresta; quando Parsifal os viu, sentiu-se irresistivelmente atraído e decidiu tornar-se cavaleiro.  É claro que a mãe, como Tétis com Aquiles, tentou impedir sua partida, mas Parsifal não pertence à mãe.  Nem ficou emburrado nem se escondeu vestido de mulher; simplesmente saiu sem mesmo dizer até logo.  A mãe imediatamente morreu de dor.  Parece que esse é um rito de passagem necessário para Leão, embora no começo de suas aventuras Parsifal seja desajeitado e malcriado.  Ele é, efetivamente, o rei na forma teriomórfica ou animal, o futuro governante inconsciente, tomado de afeto emocional.
...Por fim Parsifal chegou a um rio profundo, sem nenhuma passagem visível; o destino tinha-o levado ao fim da estrada - ao local de sua tarefa em potencial.  Viu um pescador, que lhe ensinou o caminho para o castelo do Graal, e de repente o castelo surgiu do nada.  O portão abriu-se, pois ele estava sendo misteriosamente esperado e aguardado pelo rei-pescador.  O rei, na história, estava ferido na virilha ou coxa - não podia procriar, visto que sua masculinidade estava prejudicada.  É uma imagem, ligeiramente encoberta, de castração.  Parsifal então teve uma visão de uma espada, uma lança gotejando sangue, uma moça trazendo um Graal de ouro com pedras preciosas, e outra moça trazendo uma bandeja de prata.  Os estudiosos do tarô reconhecerão nesses quatro objetos sagrados naipes de copas, espadas, paus e pentágonos, e os estudiosos de Jung reconhecerão a quaternidade que simboliza a inteireza do Self.  Enquanto esses quatro objetos sagrados passavam, Parsifal não ousou dizer nada.  Foi para a cama,  e ao acordar o castelo estava deserto.  Saiu e encontrou outra mulher que lhe falou do seu recente fracasso.  Se ele tivesse perguntado: A quem serve o Graal, o rei teria sido curado, e a terra renovada.  Ao se deparar pela primeira vez com seu destino, Parsifal, como se diz, estragou tudo.  Só tornou a achar o castelo depois de atingir a maturidade e a compaixão necessárias.
Acredito que essa ingênua  falta de jeito seja parte integrante do Leão jovem ou imaturo, assim como a condição de orfandade; entretanto, apesar dessa falta de jeito, é o escolhido do destino para ter a visão do Graal antes de estar pronto para entendê-la.  O que quer que seja o Graal - um senso de destino pessoal, o sucesso precoce, a espiritualidade jovem - parece que chega cedo para o Leão, não através do esforço, mas muitas vezes através dos dons naturais e da intuição deste signo.  Mas em seguida ele se perde, porque o senso de seu significado ainda não foi aprumado, e o ego reivindica para si o sucesso.  Portanto, é preciso que ele seja encontrado novamente na consciência, em geral por meio de muita dificuldade.
...Um dos dilemas de Leão - no brilho e nobreza de suas aspirações, ele não permite a entrada da sombra inferior, de sua própria humanidade imperfeita.  A sombra rejeita revida do inconsciente por meio dos efeitos desintegradores do erotismo incontrolável.
O mais profundo impulso de Leão é a procura do Self, do valor central da vida - que, em temos míticos, é a mesma coisa que a procura do pai.
O pai de Leão é o radiante doador de vida, adorado por milênios como o sol.  É o Deus mais piedoso do Novo Testamento, cujo abundante fluxo de compaixão é personificado na imagem do Graal.
...Dessa forma, Leão, geralmente apresentado como um extrovertido exibicionista, é interiormente motivado por um impulso profundamente espiritual.  O Leão individual, entretanto, pode continuar sendo para sempre o Parsifal, inconsciente do significado de sua existência e incapaz de formular a pergunta.
...Última imagem mítica relacionada com Leão: Apolo, o deus do sol. Apolo é o grande curador e purificador. Tira a poluição da realidade corporal e devolve o homem impuro ao estado de graça.
...Na minha interpretação psicológica, Apolo é uma imagem do poder da consciência, assim investido pelo Self, que quebra a “maldição” e purifica o impuro, libertando a pessoa das “barreiras sobrenaturais” surgidas do escuro mundo do inconsciente.  É o poder do ego em toda a sua glória, o vencedor da batalha com a serpente Píton do inferno, o veículo de Deus como realização humana.  É a ele que as pessoas oram quando precisam de visão clara, pois sua flecha penetra até no mais sombrio dos problemas, e sua música aquieta o coração confuso e agitado.






A quinta casa - Criação


Passada a noite negra da alma (casas 1, 2, 3 e 4), surge a mansão libertadora (casa 5), onde o homem livre do passado sombrio, encontra força e apoio na libido criativa.  De criatura passa a criador, e no abraço arquétipo do sol-deus, abrange em si próprio o sistema solar.

O Leão representa uma carta de força física e a casa 5 uma casa de criação física.

O Leão pode ser verde, uma energia da natureza antes de purificada e sujeita ao desejo; vermelho, representado pela força sexual, porém já debaixo de rigoroso controle e por fim o leão velho, significando a consciência purificada.

A quinta casa é emocional em sua primeira fase recém nascida da noite negra, racional em sua fase de domínio e poder criativo, e transpessoal, mesmo divina, em sua fase de direção a grande alma.

A quinta casa traz a responsabilização pela criatura solar que potencialmente existe em cada um de nós, e pela criatura lunar que, a partir de cada um de nós, irá prolongar seu calvário individual na terra.

Ultrapassada a prova do inferno consciente, abre-se, se 120 a 150 graus um novo sistema solar, pois que há, a partir dali, uma nova existência e o desenvolvimento de uma nova personalidade integrada com a dor e o sofrimento da quarta casa, mas disposta a ultrapassar os limites do reino animal humano e se dirigir para o reino cósmico.

O conflito ocorre na quinta casa quando a alma se torna engrandecida por ser filho do homem, ou quando o ego se torna esquecido daquele fato, mas pela pujança do signo e pela força da libido.


A quinta casa é a mansão da alma, pois ali há um Homo Erectus no uso e gozo de sua mente, com um potencial criativo e amoroso.  Ali a grande alma solar é iniciadora da personalidade.  Ali existe a faculdade divina geradora da liberdade pura.

Na quinta casa vemos que cada ser em evolução, além das diferentes encarnações, pode engendrar novas causas, criar novos estados, estabelecer novos contatos, explorar novos horizontes.  Seria então uma espécie de livre arbítrio, concedido na quinta casa por ser ali um sítio de liberdade, opção, reorientação.

Ali, na quinta casa, estão os projetos da humanidade através do homem.  A iniciação ocorre na quinta casa depois do estágio da terceira e das provas da quarta.


O Sol nessa casa concentra energia em excesso.  Consideremos o homem terrestre, fatigado pela labuta diária e que no período da quinta casa ( 20:00 às 22:00) recolhe-se a cama e, impregnado pela força leonina se entrega a faina procriadora.  O Sol na quinta, não só fértil, mas carrega a luxúria do desejo primário, da cama, da ardência, do calor, da liberação.

Por ser um símbolo masculino o Sol na quinta, pode ser difícil para a mulher dificultando a gestação de algum modo,  sobretudo se a lua está em signo magnético.

A Lua na quinta casa é de qualquer maneira, em qualquer signo, fértil mesmo no estéril signo de Leão.  Contudo a menor irritação da Lua causa a síndrome da rejeição e um elenco enorme de dificuldades.  O astroterapeuta deve prestar atenção a Lua aflita na quinta e trabalhar orientando-se por uma visão esotérica, pois pode existir uma situação típicamente relacionada a um fluxo sequencial de reencarnações de mulheres com medo ou receio inconsciente da maternidade.  Há que se procurar também saídas na casa oposta.

Bem mais problemático e de grande expressão psicofísica é a presença do signo interceptado, quando os valores do subconsciente atuam de forma tão intensa que ocorre, via de regra, forte inibição no explosivo conteúdo criador.  O nativo pode então se expressar de maneira neurótica, com dificuldades nas questões de filho e família e nas atividades sexuais.

O astroterapeuta deve trabalhar a quinta casa no campo eletromagnético, técnica pouco conhecida nas terapias tradicionais e citada por Ramatis em “vida no planeta Marte”


Os planetas pessoais, Mercúrio, Vênus e Marte, acentuam, à nível de exigência cármica, a necessidade de criação terrestre de egos.  São indicativos de que deve haver experiência, com a quantidade necessária.

Mercúrio irritado com a Lua é sinal de desgosto.  Marte irritado é  sinal quase certo de aborto ou intensa dificuldade na passagem, pior ainda se a cúspide também for leonina.

Os planetas maiores indicam criatividade ao contrário dos pessoais, que indicam criação.  Saturno, em geral, vai levar a energia da criatividade para áreas educacionais.  O ensino e as crianças são prioritários, e Urano, mais ainda, conduz a energia a planos mentais, áreas literárias e científicas.  Netuno propõe o campo da metafísica e os processos filosóficos, místicos, ocultos, psicológicos como expressão da força leonina.  Mesmo irritado, Netuno propõe solução através da técnica iniciática.

Plutão acentua compulsivamente a necessidade de ser alguém.  No entanto a chave está em fazer alguma coisa, a fim de que não se liberte no outro, pois, via de regra, Plutão pode dirigir a energia para estar com alguém, amante, intimo, criança, para mais aprender sobre si próprio.  O elemento compulsivo deve ser trabalhado até a extirpação.

O nódulo impõe a prova de sair do passado, de sonhos fantasiosos, e decididamente ingressar na realidade da criação.  A imaginação se torna viva uma vez disciplinada.

Em muitas passagens vemos a quinta casa associada ao arcano XI - A Força.





LUA FORA DE CURSO LFC

Hoje vamos falar sobre um fenômeno astrológico muito comum e que afeta a todo mundo gerando muita curiosidade.  A Lua está sempre em m...